Quarta, Abril 26, 2017
   
Text Size

Pesquise no Portal Islam BR

Inspetores da ONU alvo de tiros na Síria

Notícias - Internacionais

ONU 
 
Os inspetores foram obrigados a mudar de veículo e regressaram ao local da investigação.

 

 

 

 

Os inspetores da ONU que estão a Síria investigando o uso de armas químicas foram alvo de tiros, em Damasco. De acordo com um porta-voz das Nações Unidas não há feridos. Os inspetores foram obrigados a mudar de veículo e regressaram ao local da investigação. Os trabalhos tinham começado esta segunda-feira de manhã.
 
 
O secretário-geral da ONU, afirmou esta segunda-feira que não podem ser permitidos mais atrasos na investigação. Em declarações aos jornalistas em Seul, na Coreia do Sul, Ban Ki-moon afirmou que “todas as horas contam. Não podemos permitir mais atrasos”.

Entretanto, este fim-de-semana, a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras confirmou a morte de 355 pessoas com sintomas neurotóxicos em três hospitais sírios. “Os pacientes chegaram em massa, 3600 em poucas horas, com sintomas de uma contaminação massiva num local preciso. Os pacientes apresentavam sinais de complicações respiratórias, convulsões, perdas de consciência. Alguns morreram com sintomas que nos permitem dizer que se tratou de uma intoxicação por um agente químico.”

Os grupos da oposição ao regime de Damasco garantem que o ataque com recurso a gás sarín que ocorreu na quarta-feira passada, nos arredores da capital síria foi feito pelas forças do Presidente Bashar al-Assad e causou a morte de mais de mil pessoas.
 
Comunidade internacional aguarda relatório da ONU para uma possível intervenção militar na Síria
 
A Rússia principal aliada do regime de Bashar apela aos Estados Unidos para que não avancem para uma intervenção militar na Síria e pede que seja feita uma investigação imparcial sobre o uso de armas químicas nos arredores de Damasco. O chefe da diplomacia de Moscou, Serguei Lavrov, lembra que os norte-americanos não devem repetir o que chamou de “aventura do Iraque”.

Entretanto, a França garante que nenhuma decisão foi tomada mas que todas as opções estão em cima da mesa. Em entrevista ao canal France 2, o primeiro-ministro francês afirmou: “fazemos uma exigência: que a comissão das Nações Unidas faça o seu inquérito de forma livre e rápida para que seja conhecida a verdade. Mas é quase certo que o regime de Bashar al-Assad usou armas químicas contra o próprio povo.” Jean-Marc Ayrault lembra ainda que “quando terminar a comissão de inquérito, esperamos que a comunidade internacional tome uma decisão firme, clara, o Conselho de Segurança deve reunir-se. A Comunidade Internacional não pode permitir que se cometa este crime contra a humanidade.”

Há ainda informações, não confirmadas oficialmente, que garantem que o exército francês já estará pronto para intervir, mesmo sem o aval das Nações Unidas. Depois de ter desmentido que estaria a enviar armas para os rebeldes, o governo da Turquia já declarou que fará parte de qualquer coligação militar contra o regime sírio.

Do lado britânico e norte-americano não há para já uma posição definitiva. A diplomacia do Reino Unido teme que já tenham sido destruídas algumas provas do uso de armas químicas. O presidente dos Estados Unidos tem estado em contato permanente com a comunidade internacional e com os responsáveis da defesa americana. Mas Obama já fez saber que caso se confirmem as suspeitas de uso de armas químicas, a “resposta será grave”.

Facebook

Twitter

Google Plus

YouTube

LinkedId

Banner
Banner
Banner

Traducir Translate يترجم

English Arabic French German Hindi Italian Japanese Russian Spanish